Futebol no Planeta

A corrida de Tite rumo ao Hexa

Vamos começar a falar de Tite voltando ao início desse ano.

Até o final de Janeiro, Tite já havia vencido 6 jogos pelas eliminatórias e mais um amistoso. Já no começo do ano o povo brasileiro acreditava que o Brasil já estaria classificado para a copa.

Em toda a história do futebol, pouquíssimas vezes conseguimos ver uma virada de rendimento dessa forma.

Agora estamos na expectativa para saber como será o rendimento da nossa seleção nos próximos jogos e na Copa do Mundo de 2018 na Rússia.

Será que a seleção continuara com esse alto rendimento?

O que é necessário para que o Brasil leve essa Copa?

Será mesmo que a seleção brasileira superou o vexame da ultima Copa?

Continue lendo esse artigo e você vai saber mais sobre os seguintes temas:

– Dunga foi demitido. A um ano da Copa, Tite colocou Brasil entre os favoritos

– Brasil ressuscita “jogo bonito” e vai à Copa entre favoritos

– Brasil “só” com Tite seria líder

– As 5 coisas que o Brasil ainda precisa melhorar se quiser ganhar a Copa do Mundo

– Qual o tamanho do favoritismo do Brasil na Copa-2018?

LEIA MAIS: O Brasil do simpático Tite

A mudança foi muito grande, a seleção Brasileira de Dunga era uma seleção sem nenhum padrão de jogo e com um treinador antipático na opinião da maioria.

Tite pelo contrário era querido por muitos e sua simpatia logo conquistou a imprensa e os jogadores. A mudança não foi apenas fora dos campos, dentro de campo se via um futebol muito melhor do que o que era apresentado com Dunga no comando.

Entretanto o Brasil ainda precisava de testes melhores.

Até então a mudança era muito boa, já se notava uma harmonia muito maior no grupo, porém era necessário ainda mais melhorias para poder bater de frente coma as seleções da Europa.

Na minha opinião as seleções sul-americanas não tem a mesma força de nossos rivais europeus. Nem mesmo Argentina e Colômbia são testes a altura de grandes seleções como França, Alemanha e Portugal. A campanha nas eliminatórias podem gerar uma falsa expectativa nos torcedores.

Tite bancou jogadores que atuavam na China que não decepcionaram

Tite bancou jogadores que atuavam na China que não decepcionaram

Não creio que esse Brasil de Tite ainda tenha tido uma verdadeira prova de fogo. Isso seria muito benéfico para seleção, pois uma equipe forte de verdade consegue mudar situações de adversidade a seu favor e tem um força de reação que a maioria dos outros times não tem.

É claro que  existem várias perguntas como:

Será que o time está tão bom mesmo? Fernandinho, Paulinho e Renato Augusto são os caras do meio e pronto?

E Casemiro?

Não é hora de colocar uma sombra para Daniel Alves?

E a zaga, não pode melhorar? Vamos de Miranda mesmo?

Enfim, questões que afugentem uma possível acomodação de todos: jogadores, comissão técnica, imprensa…

Se você está gostando da matéria, compartilhe com seus amigos:

– Facebook

– Twitter

– Email

Dunga foi demitido. A um ano da Copa, Tite colocou Brasil entre os favoritos

Tite e Dunga

“O futebol continua ruim, não há ideia de jogo. Não há evolução. Os resultados em amistosos mascararam e até deram a falsa impressão que o time poderia ser competitivo. Nos jogos para valer, nunca foi. Não foi eliminado por um lance fortuito, por um erro de arbitragem. Foi eliminado por ter jogado pouco futebol. Não conseguir ser melhor nem que Equador, nem que Peru, que têm, ambos, times muito piores que o Brasil”.

Este texto é um trecho de uma matéria feita por Bruno Bonsanti feita após a eliminação do Brasil na Copa América Centenário com uma derrota por 1 x 0 para o Peru.

No dia seguinte após a vergonhosa eliminação, Dunga foi demitido do cargo de treinador. A CBF já tinha a ideia clara de levar o treinador gaúcho ao comando da equipe. Por mera coincidência naquele mesmo dia faltava exatamente um ano para a Copa do Mundo, que nas atuais circunstâncias nossa seleção não teria a mínima ideia se iria disputar.

E no dia seguinte foi anunciado a escolha do treinador que todos já esperavam. Tite foi a escolha e veio tarde.

“A escolha de Tite para ser o técnico da seleção brasileira não surpreende absolutamente ninguém. É o melhor técnico em atividade no Brasil e parece ter capacidade para montar times de diferentes maneiras. Tudo isso já era verdade em 2014, quando Dunga foi escolhido. O presidente de então, José Maria Marin, preferiu o capitão do tetra, que tinha uma passagem contestável pela Seleção entre 2006 e 2010. A escolha de Tite chega com atraso, mas também com justiça. A questão é: que condições Tite terá para trabalhar na Seleção?”

Depois de um ano o torcedor pode ter as esperanças renovadas na Seleção Brasileira. Notava-se uma mudança drástica não nos jogadores escolhidos – o qual foram poucas as mudanças dos nomes – mas no jeito de jogar.

O Brasil passou ser um equipe com muito mais padrão de jogo, começou a buscar mais o ataque e os gols principalmente após o treinador começar a usar Phillipe Coutinho além de ter arrumado a defesa deixando o time mais estável.

Outros jogadores surgiram, finalmente tivemos um novamente um centroavante confiável, Gabriel Jesus evoluiu e começou a fazer grandes jogos pelo Brasil.

Em um ano de Seleção, Tite conseguiu um incrível 11 jogos com 10 vitórias! Sofrendo uma derrota apenas para a Argentina em um jogo em que ele não contava com 7 jogadores de sua base. Porém mesmo perdendo podemos dizer que a seleção não jogou mal.

A boa fase da seleção finalmente voltou, Tite continuou fazendo a seleção evoluir e cada vez mais o torcedor que estava desacreditado começou a ter esperança. Veja os momentos chave no primeiro ano de Tite na seleção:

7 de setembro

Neymar contra a colômbia

O segundo jogo do treinador foi contra a Colômbia, um dos adversários mais difíceis das eliminatórias. Mais um ponto para Tite que reintegrou Marcelo a equipe que resgatou seu bom futebol na selação.

6 e 11 de outubro

Com duas vitórias contra adversário mais fracos, Bolívia e Venezuela, o Brasil confirmou seu favoritismo e finalmente chegou ao topo das eliminatórias.

10 e 15 de novembro

Brasil x Argentina Messi x Neymar

O primeiro grande teste de Tite comandando a seleção, a Argentina. O time jogou demais de fez um 3 a 0 incotestável. Naquele estádio que o Brasil desmorounou para Alemanha em 2014 era o estádio da redenção da seleção.

No jogo contra o Peru o Brasil voltou a mostrar o seu belo jogo coletivo. Coisa que estava difícil de se ver até aqui.

25 de janeiro

Dudu seleção Brasileira

Um amistoso comemorativo contra a Colômbia apenas com jogadores que atuavam no Brasil, vitória por 1 x 0 com gol de Dudu.

23 e 28 de março

Neymar Brasil x Uruguai

Contra o Uruguai parecia que o Brasil teria seu primeiro teste de fogo, o Uruguai saiu na frente no começo do jogo, porém  conseguimos ver o poder de reação da seleção de Tite que conseguiu a virada para 4 a 1 com grande atuação de Paulinho.

Contra a grande defesa paraguaia o Brasil mostrou criatividade e conseguiu também vencer a partida.

9 e 13 de junho

No amistoso contra a Argentina, Tite conheceu sua primeira derrota, nada de mais. E para finalizar seu primeiro ano frente a Seleção, o Brasil venceu facilmente a Austrália com bela atuação de Diego Souza.

Quem diria que um ano antes dessa data o Brasil era considerado até como uma seleção mediana, que não colocava mais tanto respeito aos adversários. Após um ano de Tite no comando, o Brasil já era outro, agora impõe respeito e está entre os cabeça de chave da Copa.

Veja esse infográfico com os números de Tite após um ano de Seleção Brasileira:

Infográfico Tite um ano de seleção Brasileira

Brasil ressuscita “jogo bonito” e vai à Copa entre favoritos

A campanha do Brasil com Tite foi praticamente perfeita, o treinador deu muita ênfase ao jogo coletivo e hoje a seleção precisa melhorar poucas coisas para poder chegar ao tão sonhado hexa.

O Brasil se classificou para a Copa faltando 4 rodadas para acabar as eliminatórias, o futebol brasileiro resgatou seu orgulho e finalmente se levantou do desastre que foi aquele 7 x 1 contra a Alemanha em 2014.

O Brasil concluiu as Eliminatórias com dez pontos de vantagem sobre o segundo colocado Uruguai, somando 12 vitórias, cinco empates e apenas uma derrota. Além disso, a seleção brasileira teve o melhor ataque (41 gols) e a melhor defesa (11 gols sofridos – igualando o recorde histórico estabelecido pelo Brasil nas Eliminatórias para o Mundial de 2010) do torneio.

Tite e Neymar - O mestre e seu protegido: "Melhor treinador com quem trabalhei", afirmou Neymar em entrevista recente.

Tite e Neymar – O mestre e seu protegido: “Melhor treinador com quem trabalhei”, afirmou Neymar em entrevista recente.

Mesmo que não tenha batido o recorde da Argentina em 2002, a seleção brasileira mudou seu status de uma seleção que ninguém botava fé a uma seleção que hoje é considerada umas das favoritas a levantar o caneco da Copa.

O Brasil encerrou  as eliminatórias em jogo contra o Chile vencendo por 3 a 0, em uma situação em que a seleção canarinho já estava com a classificação garantida. Outro fator importante foi o recorde de Tite: Ele se tornou o primeiro treinador a vencer todos os seus jogos nas eliminatórias.

Brasil “só” com Tite seria líder

O Brasil seria primeiro colocado nas Eliminatórias levando em conta somente os jogos sob o comando de Tite. Ou seja, o Brasil sob Tite estaria classificado ao Mundial com sete jogos a menos que a concorrência – os seis sob o comando de Dunga e o último jogo frente ao Chile. O treinador assumiu a Seleção na sétima rodada das Eliminatórias e, em 12 jogos, alcançou dez vitórias e dois empates. A Seleção marcou 30 gols e sofreu somente três.

Agora falta pouco para começar a  tão esperada Copa do mundo!

Tite teve uma campanha impecável nas eliminatórias, hoje somos favoritos ao Hexa, porém não podemos ficar nesse clima de já ganhou e muito menos cair no comodismo, o Brasil ainda tem alguns pontos a melhorar e é disso que vamos falar agora.

As 5 coisas que o Brasil ainda precisa melhorar se quiser ganhar a Copa do Mundo

Brasil classificado para a copa do mundo

O Brasil deixou muitos adversários comendo poeira nas eliminatórias, além de tudo isso venceu e convenceu com um futebol que até lembrava os grandes times do passado.

Porém isso não quer dizer nada, ficar em primeiro nas eliminatórias apenas dá a classificação para a Copa assim como a seleção que fica em 5º lugar e disputa uma repescagem com o campeão da Oceania.

Na Copa a seleção de Tite será realmente testada.

Será que até Julho do ano que vem nossa seleção estará realmente preparada?

1 – Não atingir o auge tão cedo

Neymar

Meses antes da Copa no Brasil em 2014, Felipão estava esbanjando confiança.

“Já fizemos nossa parte. Encontramos o time”, disse o treinador. A escalação que bateu a Espanha por 3 a 0 na final da Copa das Confederações de 2013 já estava fixada em sua mente como o time que iria ganhar a Copa do Mundo no ano seguinte.

Júlio César; Daniel Alves, Thiago Silva, David Luiz e Marcelo; Luiz Gustavo, Paulinho e Oscar; Hulk, Neymar e Fred.

Hoje, todos sabem o destino que essa escalação teve…

Foi dado mais crédito a Copa das Confederações do que merecia e já ter um time totalmente fechado um ano antes da Copa foi um erro.

Claro que Tite deve manter aqueles que sempre renderam bem em sua seleção, porém é necessário mostrar que não existe nenhuma vaga fechada e que ele precisa de todos os jogadores, principalmente por causa das lesões.

Desse jeito todos saberão que não tem uma vaga cativa na equipe e que poderão sair da equipe titular a qualquer momento.

2 – Lembrar que ainda não enfrentaram os melhores

As belas atuações da seleção animaram muitos críticos que hojem a colocam com a favorita a conquista da Copa. Porém Tite deve tomar cuidado pois pode ser uma armadilha.

Os verdadeiros testes para o Brasil, portanto, ainda estão por vir.

No primeiro teste de Tite contra a Inglaterra o Brasil teve dificuldades contra uma equipe que não contava com 7 jogadores considerados titulares. Em Março teremos a Alemanha pela frente.

O Brasil, portanto, deve lembrar que, antes de se animar tanto, ainda precisa enfrentar competitivamente países como Alemanha, França, Espanha e Bélgica, estes sim os melhores times da Europa no momento.

3 – Cobrir os espaços deixados pelos laterais

Daniel Alves e Marcelo

O espaço deixado nas costas dos laterais são um ponto fraco do Brasil.

Daniel Alves chegará a copa com 35 anos de idade e apesar de ser muito bom tecnicamente a defensiva nunca foi seu forte. Não creio que isso irá mudar a essa altura de sua carreira.

No outro lado, Tite conseguiu extrair o melhor de Marcelo na Seleção, porém ele é outro jogador que defensivamente não é muito bom.

E mesmo com todas as boas atuações nas eliminatórias as laterais sempre eram o ponto  mais explorados pelos adversários. Contra as equipes da Europa que possuem jogadores mais rápidos e melhores isso pode ser um problema.

4 – Controlar o emocional

Thiago Silva Chorão

O pior dos defeitos que a seleção brasileira de 2014 apresentou foi o lado emocional.

Mesmo com Tite controlando os nervos do jogadores, ainda sim existe um pequeno desequilíbrio emocional que pode ser visto no primeiro tempo do jogo contra o Equador em São Paulo.

Principalmente Neymar, um dos craques do time, pode ser o mais propenso a cair em provocações e brigas que podem prejudicar toda a equipe.

Neymar muitas vezes esquece a objetividade, com dribles e firulas desnecessárias que acabam tirando a paciência do adversário e tornando o jogo mais quente, mas o pior de tudo é que muitas vezes ele mesmo acaba caindo no próprio jogo.

O fato de muitas vezes o juiz não cair no jogo dele o acaba irritando e assim ele acaba se enfezando de forma desnecessária.

Contra o Equador, ele levou um cartão amarelo bobo por uma falta feia. Incidentes como esse podem lhe tirar de um jogo importante de Copa do Mundo e prejudicar o Brasil na hora mais importante. Por isso, há uma necessidade enorme de que todos, mas principalmente Neymar, mantenham a compostura a todo momento.

5 –  Ter uma estrutura de liderança estabelecida

Neymar com braçadeira de capitão da Seleção Brasileira

Não precisamos nem falar nada sobre nosso capitão na Copa de 2014, precisa?

Thiago Silva não conseguiu liderar a equipe e hoje nem figura mais entre os titulares da zaga de Tite.

Com Dunga, Neymar foi o escolhido, porém o próprio jogador admitiu que essa responsabilidade não era pra ele.

Tite teve uma ideia muito boa que funcionou até então. A cada jogo um novo jogador se tornaria capitão da seleção, mostrando que todos são importantes.

Porém está chegando a hora de escolher o verdadeiro capitão, aquele que irá liderar o time e irá acalmar os nervos em possíveis descontroles emocionais, o cara que irá motivar a equipe nos piores momentos.

Ao longo da história, a seleção sempre ficou marcada por ter uma estrutura clara de liderança em campo, e Tite tem que trabalhar para que isso se repita com sua turma em 2018.

Qual o tamanho do favoritismo do Brasil na Copa-2018?

Seleção Brasileira

Liderança no ranking da Fifa, primeira seleção a se classificar dentro de campo para a Copa do Mundo de 2018 e nove vitórias em nove rodadas das eliminatórias desde a troca de Dunga por Tite.

O jogador mais caro da história do futebol (Neymar), o sonho não concretizado do Barcelona (Phillipe Coutinho) e duas peças essenciais no funcionamento do clube mais vitorioso da atualidade (Marcelo e Casemiro).

Mas qual é o verdadeiro tamanho do favoritismo brasileiro no Mundial do ano que vem? Será que o time de Tite é realmente melhor que seus adversários para levantar a taça em Moscou no dia 15 de Julho?

A primeira constatação importante a se fazer é que, sim, o Brasil desembarca na Rússia como favorito ao hexacampeonato mundial. Tão favorito quanto era em 2006, 2010 e 2014, de tristes recordações para o futebol canarinho.

Mas isso não significa que o Brasil é o favorito para ganhar a copa do Mundo, mais que sim é um dos favoritos a conquista-la.

Faltando poucos meses para começar a Copa, conseguimos enxergar 3 seleções com competência para conquistar esse caneco. E o Brasil está entre as 3.

A Alemanha, atual campeã de quase tudo que participou e a França com uma gama de jovens jogadores com um alto valor de mercado se juntam ao Brasil nesta lista.

A Alemanha vem com os títulos da Copa de 2014 e da Copa das confederações nas costas, além de um técnico que sabe como ninguém como renovar sua seleção mantendo a equipe jovem e ao mesmo tempo experiente com um grande vigor físico.

Já os Franceses possuem um talento bruto de fazer inveja a qualquer outra seleção do planeta, inclusive a do Brasil, e podem se dar ao luxo de ignorar Karim Benzema, camisa 9 do Real Madrid.

Isso porquê contam com Griezmann, Pogba, Mbappé, Dembelé, Kanté, Lemar, Bakayoko, Mendy, todos muito jovens e capazes de dar um salto de evolução a qualquer momento.

Isso não significa é claro, que Espanha, Argentina ou qualquer outra seleção não possa vencer a Copa. Mas isso seria uma surpresinha. Afinal, o Mundial da Rússia já tem favoritos. E o Brasil de Tite é um deles.

Se você gostou da matéria, compartilhe com seus amigos:

– Facebook

– Twitter

– Email

Você acha o Brasil um forte candidato ao título do Mundial? Deixe seu comentário com sua opinião e palpites!

One Comment

  1. Pingback: A corrida de Tite rumo ao Hexacampeonato da Copa do Mundo - Futebol no Planeta - Futebol 24h

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

shop giay nuthoi trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautiful